quinta-feira, junho 08, 2006

Varna, Bulgária


As cidades do sul da Europa costumam ser vivas e movimentadas. E Varna não foge à regra. Porém, o conceito de cidade de férias foi adaptado aos despojos do velho leste europeu. É uma cidade suja e desordenada. As suas avenidas não são muito amplas e o trânsito é pouco intenso. Pelas ruas há centenas de bancas de venda de produtos falsificados: óculos italianos por 10 lev (5 euros), t-shirts do Cristiano Ronaldo por 15 ou perfumes de marcas internacionais por 20 (mas na compra de 2 oferecem o terceiro).

Em visita, vale a pena respirar o ar da cidade e ver dois ou três museus que sobraram do período soviético (sobretudo o Museu de Arqueologia – e em particular as peças encontradas na Trácia). Além disso, apenas vale a pena deter-se na Igreja da Assunção da Virgem, a maior de Varna, construída no fim do século XIX).

Varna é a terceira cidade da Bulgária, em tamanho (tem um pouco mais de 300 mil habitantes). Tem um voo por dia, a partir de Sófia, e meia dúzia de outros, a partir da Áustria e de várias cidades da antiga Alemanha de leste (80 por cento dos turistas que passam por aqui são originários da antiga RDA, vá lá saber-se porquê…).
Na estâncias balneares da costa há muitos hotéis, maioritariamente do período soviético, onde é possível fazer férias baratas, embora modestas.