domingo, novembro 06, 2005

Museu Militar de Lisboa


Alabardas medievais e armaduras recolhidas em castelos de todo o país. Gigantescos canhões de bronze, sobrantes de construções de várias épocas do Império (é uma das maiores colecções do mundo do género). Sabres doados por famílias de nobres militares. Kalashnikov AK 47, encontradas na mata e as célebres G3, de fabrico nacional. De tudo isto se pode ver no Museu Militar.
O espaço é impressionante: um edifício barroco, construído após o terramoto, que veio a ser adaptado e propositadamente decorado para o efeito. Destacam-se as salas exuberantes, dedicadas à idade do ouro da história nacional (sobretudo a sala D. Maria II) e a grande sala aberta e majestosa onde se exibem as peças da “Grande Guerra” (será talvez a mais conseguida das suas salas).
Mais histórico que bélico, o Museu recorda grandes marcos da história lusitana. São particularmente interessantes os mapas, em três dimensões, das Linhas de Torres e da Batalha de Aljubarrota. O espaço sobre a guerra colonial (salas das Campanhas de África) é pequeno, mas consensual. Objectivamente, não escamoteia o milhão de soldados portugueses que combateram em África nem os 8 mil mortos em combate, mas prescinde de alusões panfletárias ou apologéticas. Correcto, portanto.
É um museu clássico, orgulhando-se de ser o mais antigo de Lisboa (a sua colecção foi pela primeira vez organizada em 1842).

O Museu Militar fica em frente da Estação de Santa Apolónia, em Lisboa, no Largo do Museu de Artilharia e pode ser visitado de terça a domingo, das 10 às 17 horas. O bilhete (somente para adultos), custa 1,5 €. A ala oriental do museu está, presentemente, em obras de remodelação.


Sem comentários: