sexta-feira, agosto 10, 2007

A nostalgia romântica de Biarritz

Em meados do século XIX Biarritz era uma modesta aldeia de pescadores, na costa atlântica da Aquitânia, muito próxima da fronteira espanhola. Foi então descoberta por intelectuais parisienses (os guias turísticos locais referem habitualmente Victor Hugo). Mais tarde, quando veranear no mar passou a ser moda, esta praia de águas calmas e quentes (para os parâmetros daquela zona da Europa), tornou-se sinónimo das férias de verão: hotéis requintados, um casino, um passeio marítimo e muito glamour.
A mobilidade e a grande facilidade de viajar para paragens mais distantes fizeram de Biarritz uma velha senhora, nobre e empobrecida mas orgulhosa dos seus edifícios e do seu passado. Efectivamente, tem razões de orgulho no seu passeio marítimo, no Hotel du Palais, no palacete Miramar, no Port-Vieux e nos rochedos que o delimitam.
Conta-se por aqui que na Plage des Basques, em plena zona urbana, foi pela primeira vez utilizada uma prancha de surf em águas europeias.


Em Biarritz é muito fácil circular, quer a pé, quer de automóvel e é fácil estacionar nos vários parques subterrâneos do centro. Há muitos hotéis (além, claro, do caríssimo e exclusivo Hotel du Palais, da rede Relais et Chateaux) e inúmeros cafés e restaurantes.

Sem comentários: