segunda-feira, novembro 19, 2007

Atomium, Bruxelas

Quando se vê pela primeira vez esta estrutura enorme, fica-se sem saber como a classificar; se é uma colossal escultura ou é antes uma originalíssima obra de arquitectura. Em todo o caso, a primeira impressão é sempre de deslumbramento, pela dimensão, pela imponência, pelo brilho metálico que o reveste. A sua forma corresponde à de uma molécula cristalizada de ferro, ampliado 165 biliões de vezes. Tem por isso 9 esferas, de 18 metros de diâmetro, unidas por 20 tubos, com comprimentos de 18 ou 23 metros, consoante os casos. Todo o conjunto é feito em aço, revestido de alumínio. Estima-se que pese 2400 toneladas. A esfera mais elevada atinge 102 metros de altura.
O Atomium foi desenhado pelo engenheiro belga André Waterkeyn para a Exposição Internacional de Bruxelas de 1958 e destinava-se a ser destruído após o seu encerramento. Porém, a popularidade que conquistou entre os 42 milhões de visitantes da Expo 58 e a sua singularidade acabaram por impedir a sua demolição. Na época, vivia-se em grande optimismo, cultivando-se a fantasia e a inovação na arquitectura. E a obra acabou por ficar. Naturalmente, sofreu grande envelhecimento, que obrigou à realização de obras de renovação, as quais decorreram entre 2003 e 2006.
Pode visitar-se o Atomium todos os dias do ano, das 10 às 18 horas. O bilhete de ingresso custa 9 € (7 € para estudantes e seniores), mas a entrada é gratuita para crianças menores de 12 anos. A visita incluiu a subida à esfera mais elevada, num elevador que, à data da sua construção, era o mais rápido da Europa, subindo cinco metros por segundo. Inclui ainda a visita a cinco outras esferas, por escadas (algumas delas – poucas –, rolantes, atravessando os tubos, a fazer lembrar o Espaço1999). Para subir, têm que galgar-se 80 degraus; para descer são 185!
O Atomium ficam em Bruxelas, na periferia noroeste da cidade. Próximo está o Estádio de Heysel. Chega-se lá de Metro, pela Linha 1A, saindo na estação de Heysel.

Sem comentários: