quarta-feira, dezembro 12, 2007

Praça Vermelha, Moscovo

Este é daqueles locais que estão bem presentes na memória dos noticiários da televisão de quem tenha mais que 30 anos. As repetidas imagens a preto e branco de soldados a desfilar, seguidos por mísseis e carros de combate muito alinhados, com os comandantes muito hirtos a saudar os dignitários do velho regime soviético. Acontecia com particular ressonância por todo mundo em Novembro de cada ano, quando se comemorava a Revolução de Outubro.
As bancadas de betão onde se perfilavam os militares do regime para assistir ao desfile ainda lá estão, de um lado e de outro do mausoleu de Lenine, que continua a ser visitado por revivalistas do regime (e também por curiosos, que aproveitam a entrada gratuita). Este mausoleu esteve para ser demolido, no tempo de Boris Ieltsin e, diz-se, pode vir a fechar por falta de verba para conservar o cadáver do antigo mentor (recorde-se que após a morte de Lenine o seu corpo foi embalsamado e tem que sofrer manutenção periódica).
É visitável apenas entre as 10 e as 13, alguns dias por semana. Costuma ter fila e não se pode falar durante a visita nem tirar fotografias. No mesmo memorial estão também sepultados outros notáveis do regime soviético: Estaline, claro, mas também Yuri Gagarine, o primeiro cosmonauta soviético e Leonid Brezhnev, o último grande líder do Partido Comunista da União Soviética.
O Kremlin, também ainda aqui está, claro. E melhor que nunca: está bem restaurado e iluminado à noite. O mesmo se passa com a Catedral de São Basílio, igualmente bem preservada.
Porém, o espírito comunista perdeu-se. Em frente ao Kremlin abriu o fabuloso centro comercial GUM, com lojas de todas a marcas de roupas, sapatos e jóias que contam na Europa ocidental. Este centro comercial usa como meio promocional, na altura do natal, um ringue de patinagem, que coloca no meio da praça.
Por último, embora já fora da praça, mas mesmo em frente ao memorial dos mortos da IIª Guerra Mundial, abriu um Mc Donalds!
Lenine, se estivesse num túmulo, estava a revolver-se nele!
O viajante, por seu lado, pensa na mística da Praça Vermelha, ladeada das muralhas de tijolos avermelhados do Kremlin e recorda-se da sua origem na Idade Média, altura em que as primitivas muralhas foram construídas. E ocorre-lhe também que embora por esta praça tenham já passado vários regimes e vários governantes, a praça, ela mesma, continua lá, a atrair por si mesma milhares de visitantes por dia.


Sem comentários: