segunda-feira, dezembro 17, 2007

Quartier Latin, Paris

Houve tempo, há algumas décadas, em que Paris estava na moda entre os intelectuais. E também entre os intelectuais portugueses. Liam-se autores franceses por todo o mundo, procuravam-se as novidades das editoras francesas e seguiam-se com atenção os movimentos filosóficos do quartier latin. Foi o tempo dos últimos grandes pensadores, que antecederam a era globalizada, em que já não se pensa, mas se age mais. Nesse tempo, de meados do século XX, era também moda ir a Paris, frequentar os cafés de Saint-Germain-des-Prés, na margem esquerda do Sena, onde supostamente poderiam encontrar-se vultos da intelectualidade europeia. Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir foram nomes de referência, a este propósito. Mas não os únicos. Por aqui andaram também Picasso, Hemingway ou Camus. Na igreja de Saint-Germain-des-Prés está sepultado Descartes.

Os cafés, instituições tradicionais de Paris, aliás, marcam o bairro. São tradicionalmente o ponto de encontro onde se come, bebe ou se encontram amigos.
Les Deux Magots (onde um café custa 4,2 € e uma cerveja 6 €), ou o Café de Flore ficaram para a história como ícones marcantes de uma época, pela sua clientela intelectual. São agora sobretudo procurados pelas objectivas de fotógrafos japoneses.
O Quartier Latin e o bairro de Saint-Germain-des-Prés ficam na margem esquerda do rio Sena, no centro de Paris, a dois passo da Ile de la Cité, a zona de origem histórica da cidade. São fáceis de percorrer a pé e são servidos por várias estações de Metro.

1 comentário:

garina do mar disse...

ah Paris!!!

não sendo nada intelectual ;) sou fã de Paris!! é uma cidade linda para se passear a pé...