sábado, julho 05, 2008

Catedral de São Pedro, Roma

Esta é daquelas visitas que podem significar muito ou nada. Para o turista de castelos e igrejas, é o maior templo cristão do mundo. É grande, de facto. E majestoso: mármores exuberantes, dimensões esmagadoras e estatuária de dignidade avassaladora. Porém, tudo visto, é mais uma igreja. Ou não. Noutra altura dará o viajante conta de como gostou do edifício, na sua dimensão e majestade.

Desta vez, na visita, tinha o viajante na memória as palavras de um blogger discreto (http://www.cronicasdaboavida.blogspot.com/), que dizia que “a 2 de Abril de 2005 morreu um dos Grandes do nosso tempo. Mudou o Mundo e o Mundo mudou com ele. Seguiu os passos de Cristo. Sempre. Totus Tuus.”
Foi o viajante, como já bem se viu, à procura da memória de Karol Wojtila, que enquanto chefe da Igreja usou João Paulo II.
Rapidamente concluiu que em Roma há mais japoneses do que peregrinos e mais turistas que crentes. A magnífica catedral está cheia de voyeurs de clichés, que vão para tirar fotografias. E o túmulo do Santo Padre, próximo da entrada da basílica, vale tanto como uma estrela num qualquer passeio da fama. Valeu aquela pequena capela, do lado oeste do templo. Um velho padre dizia missa para uns quantos sul-americanos, que respondiam em espanhol do novo mundo, enquanto alguns passantes correspondiam lendo as orações escritas em várias línguas e agrafadas aos espaldares das cadeiras de madeira.

Sem comentários: