sexta-feira, fevereiro 20, 2009

Neve em Andorra

As estâncias de férias de inverno sempre deram ao viajante a impressão de lugares tranquilos, mesmo sendo plenos de actividade. Mas além disso – e sobretudo -, a forte convicção de que são locais de charme, frequentados por gente sofisticada e endinheirada. Compreende por isso o viajante a expressão “país do ouro branco”, aplicada a regiões que exploram a neve e as actividades desportivas e de lazer a ela associadas. Será o caso de Andorra.

Porém, não encontrou o viajante em Andorra essa tal realidade charmosa e sofisticada. Este micro país, com o título de Principado, fica encravado entre Espanha e França, no coração dos Pirineos. No mapa, tem de largura máxima 29 quilómetros, de leste a oeste, e de altura máxima, de norte a sul, 25 quilómetros. Todo ele é alta montanha (os seus picos atingem 2946 metros e a altitude mínima, à saída para Espanha, é um pouco mais de 800 metros…) No entanto, não encontrou aqui o viajante nada que lhe recordasse aquela aura distinta das férias de Inverno. Há neve, é certo, e com ela há toda a mística poesia da brancura luminosa. Há também muitas e boas instalações e equipamentos para desportos de Inverno. Não faltam quilómetros e quilómetros de pistas, classificadas de todas as cores e graus de dificuldade. Há confortáveis equipamentos de apoio. Telecadeiras, telecabines, esplanadas e bares em altitude. Escolas de esqui e várias estâncias especialmente preparadas para debutantes e inexperientes nestas práticas.
Mas falta a Andorra o polimento. Falta-lhe charme e até mesmo compostura. As montanhas são bonitas. A neve também. Mas o urbanismo é caótico e a arquitectura dos lugares, em geral, é muito plebeia e pobre. Em concordância, nas estradas abundam carros “artilhados” (de tunning). Os milhares de portugueses que trabalham nos hotéis (há 9000 portugueses em Andorra, numa população total de 60000 mil habitantes) não estranharão o sempre presente cheiro a fritos no ar, a fazer recordar o ar do Albufeira. Aliás, ocorreu ao viajante que, de certa forma, Andorra está para as estâncias de inverno como o Algarve está para as estâncias balneares do mediterrâneo. Sem ofensa.

Este Principado de Andorra só tem nobreza no nome. Enquanto estado independente, chamar-lhe país de opereta é elevar demasiado elogiosamente o termo comparativo. Vale-lhe, claro, ficar a uma distância aceitável de Portugal e ter uma boa oferta hoteleira a preço abordáveis.
De Portugal a Andorra, dependendo do ponto de partida, a distância por estrada é de 1000 a 1200 quilómetros. Faz-se, embora não seja demasiado fácil, num dia de viagem, graças à rede de autovias espanholas. Será opção mais confortável e rápida a viagem de avião até Barcelona (a 220 quilómetros) ou Toulouse (a 190 quilómetros) – ambas as ligações, de carro, tomarão menos de três horas. Para Barcelona, há cerca de 10 voos por dia, a partir de Lisboa. Para Toulouse, apenas um.

Sem comentários: