domingo, julho 19, 2009

As estátuas de rua de Bratislava, Eslováquia

Não são muitos os turistas que deambulam por Bratislava. Ao contrário do que acontece com as suas irmãs Budapeste, Praga e Viena, a capital eslovaca fica fora das rotas mais habituais. Teve até o viajante dificuldade em encontrar um guia do país e da cidade (e acabou por não encontrar nenhum em português). Talvez seja assim porque não encontrará o visitante nesta pequena cidade a diversidade de Praga, a monumentalidade de Viena ou a magnificência de Budapeste. Os roteiros acabam todos por aconselhar, como visitas interessantes na cidade, pequenos nadas, que apenas no conjunto justificarão o desvio.
Restou a Bratislava procura chamar a atenção de visitas por outras vias. Uma delas foi a da instalação de anónimas estátuas na rua, à laia de mobiliário urbano. Já são algumas e conquistaram o estatuto de verdadeiras curiosidades nas páginas dos diversos guias.

Entre outros, conseguiu o viajante localizar, na zona antiga, o homem da canalização, talvez a mais famosa estátua de Bratislava. Representa um comum operário municipal, meio saído de um buraco dos esgotos urbanos. Não está exactamente a sair – antes parece estar, do seu buraco, a desfrutar das vistas e a ver quem passa. Fica, no coração da zona histórica, no cruzamento das ruas Panska e Sedlarska.
A muito pouca distância, na praça Hlavné, no meio do lajeado, há um banco de jardim. Não há ali nenhum jardim nem mais bancos. Este banco está isolado e foi aqui colocado de propósito para nele poder apoiar os seus braços um soldado francês, vestido como se fosse Napoleão. Sabe-se que Napoleão passou por Bratislava após a batalha de Austerlitz e que, na cidade, em 1805, assinou um tratado de paz com o imperador Francisco I da Áustria.
A um quarteirão de distância, no cruzamento das pedonais ruas Radnica e Laurinská, escondido pela na esquina, foi instalado um fotógrafo paparazzi , com a sua enorme teleobjectiva. Ao lado abriu um lounge bar, que usa o mesmo nome da estátua.

Sem comentários: