domingo, agosto 23, 2009

Marte em Agosto

Recebeu o viajante uma inflamada mensagem de correio electrónico (como provavelmente tu, leitor), apelando para o seguinte: Marte, o planeta vermelho, está a passar perto da Terra e atinge o ponto mais próximo no dia 27 de Agosto. Por isso, ficará mais brilhante e parecerá, no céu, uma segunda Lua Cheia. Dizia ainda a dita mensagem que, por razões decorrentes da sua órbita, Marte iria passar apenas a 56 milhões de quilómetros da Terra, o que já não acontecia há 60 mil anos, razão pela qual o fenómeno tinha sido visto pela última vez pelos “neandertais”. E mais: só voltaria a ser assim em 2287.
Estranhou o viajante, por não se prever Lua Cheia para esta semana. Pelo contrário, hoje mesmo, lá pelas seis da tarde, conseguiu ver que a Lua saia da fase de Lua Nova e iniciava o percurso para Quarto Crescente (estava ainda bem alta no céu, àquela hora). Por outro lado, daqui a 2287 faltam menos de 60 mil anos…
Virou o viajante o nariz para o céu e viu Marte – ou pelos menos acredita ser Marte -, um pouco acima do horizonte (a foto acima foi tirada a 22 de Agosto, pelas 10 da noite, nos campos do Ribatejo). Estava brilhante, mais que todas as estrelas do firmamento, mas parecia nenhuma segunda lua. Julga tu, leitor, pelo que consegues ver.

Uma pesquisa rápida na Internet permitiu tirar dúvidas: de facto, de vez em quando, Marte passa mais perto da Terra. Mas nem sequer é o caso de 2009. Já foi assim em 2003, ano em que passou aos tais 56 milhões de quilómetros (foi a maior aproximação desde havia muito) e voltou a ser em 2007 (passou a cerca de 88 milhões de quilómetros – o que é muito, comparado como os 100 milhões que se esperam para 2010).
Ficou o viajante com o consolo de, sem Lua, poder ver bem outras coisas: quando tirou a fotografia acima, conseguiu identificar, mesmo no centro, a constelação do Cisne e logo acima, sobre a esquerda, a constelação da Lira (e a sua brilhantíssima estrela Vega). Mais à esquerda, próximo do canto superior, a constelação da Águia. Na margem da fotografia, à esquerda, quase toda a Cassiopeia. E do lado oposto, à direita, o Golfinho. Ao fundo, parte do Dragão.
E se não é assim, assim pareceu ao viajante.

Sem comentários: