sábado, janeiro 02, 2010

Pipa, Rio Grande do Norte, Brasil

A imprensa de viagens fez de Pipa uma das mecas dos turistas que procuram o nordeste brasileiro. O cliché é perfeito: clima fantástico, praias paradisíacas, preços baratos e a garantia de um povo amigável e simpático; para portugueses ainda a facilidade da língua e a similitude de hábitos com os locais.
Calhou ao viajante passar por perto e o apelo parecia magnético e irrecusável. Por isso, lá foi o viajante de carro, vindo de Natal. A viagem durou cerca de duas horas, em parte por estradas nacionais e em parte por estradas estreitas, através de aldeolas no mato.


Há autocarros a partir da capital do Rio Grande do Norte, mas é bem sabido o desconforto, a imprevisibilidade e insegurança dos transportes públicos neste tipo de paragens. O “vilarejo”(é a expressão local) de Pipa é na verdade um lugarejo de uma só rua, estreita e sinuosa, rodeada de velhas casas de pescadores, agora transformadas em “creperias” ou “mercadinhos”, ou lojas de artesanato. Todas elas pouco cuidadas e sem sofisticação alguma. Parece o Algarve, nos anos setenta, mas em versão tropical.

A condizer, o ambiente é descontraído. Leia-se desorganizado, quase a querer evocar a herança hippy. Aliás, Pipa foi “inventada” por hippies que aqui chegaram nos anos 70 e ficaram, abrindo “pousadas” caseiras e descontraídas, familiares e pouco exigentes. É verdadeiramente uma estância de férias alternativa, para desportistas e artistas livres.

Dito isto, tem o viajante que esclarecer que, apesar disso, gostou da jornada e até a recomenda. Na verdade, próximo de Pipa há praias como nenhumas outras que o viajante conheça na costa brasileira. Além da Praia do Amor (assim conhecida porque a linha da areia lembra a forma de um coração…), merece particular referência a Praia do Madeiro. É uma linha de areia finíssima encosta a uma falésia de argila, coberta de densa floresta atlântica. Em frente, a Ponta do Madeiro é uma zona de reserva natural, de acesso restrito: aqui vêm regulartmente desovar tartarugas marinhas. O acesso à Praia do Madeiro é feito por uma rude escada construída por troncos de coqueiros, formando degraus (170!). Lá em baixo, há um ou dois bares de praia, mas não há energia eléctrica. E tudo o que se vende foi carregado às costas…
É quase ofensivo deixar dito que a água é limpa. É claro que é limpa! E quente. Muito quente mesmo! E se o banhista tiver sorte verá golfinhos, a nadar ou a saltar nas ondas, à frente do seu nariz. Ouviu o viajante este discurso ao motorista que o conduziu desde Natal e logo identificou a conversa típica de guia turístico… Porém, a verdade é que na curta hora que aqui acabou por passar, os golfinhos apareceram, a meio da baía, a talvez 100 ou 200 metros do areia, indiferentes às poucas dezenas de banhistas que por aqui andavam.

Pipa fica no município de Tibau do Sul, 80 quilómetros a sul de Natal. A estrada de acesso é sempre asfaltada, embora em boa parte seja sinuosa, atravessando campos de coqueiros e enormíssimas extensões de cana-de-açúcar. Além, claro, de povoados muito pobres. A alternativa é o percurso da praia, muito mais curto, mas igualmente demorado. Faz-se de buggy, pela areia, aproveitando a maré vazia.

Sem comentários: