sexta-feira, janeiro 08, 2010

Podgorica, Montenegro

Leu o viajante, durante a sua estadia na capital da nova República de Montenegro, que “Podgorica é um sítio para chegar, fazer o que tem que se fazer e andar”. Assim fez e não se arrependeu. De facto, a capital deste estado balcânico, até 2006 integrante de uma federação herdeira da antiga Jugoslávia, tem muito pouco interesse.

Nada tem o viajante contra a Baixa da Banheira, cujo nome conhece, mas onde nunca foi. Não sabe exactamente se o impressionismo do nome desta localidade da margem sul do Tejo espelha a realidade daquela terra. Porém, ao chegar a Podgorica, teve o viajante a sensação de poder ter chegado à Baixa da Banheira. A cidade não é grande e tem algumas avenidas largas, traçadas em época moderna, no tempo em que se chamava ainda Titograd e se integrava na Jugoslávia. Além disso, tem bairros antigos, sem charme ou interesse algum, que parecem antigas aldeias negligenciadas da periferia de Lisboa que, com a pressão imobiliária foram envolvidos por urbanizações massivas.

Tem o viajante encontrado por este mundo fora países pequenos com cidades e capitais com muita alma. Mas não foi o caso desta cidade, capital de Montenegro. Ficou-lhe a impressão de um enorme subúrbio, sem garra, com uma ou outra estátua a ocupar o lugar cêntrico de um jardim degradado. Pelo contrário, os habitantes revelaram-se gente dinâmica, alegre e activa. Passeiam pela cidade e desfrutam das comodidades urbanas pela noite dentro. Podgorica, com pouco mais de 100 mil habitantes tem casinos que funcionam 24 horas por dia!

Sem comentários: