domingo, maio 15, 2011

Museu Rodin, Paris

De Paris, diz-se que tem 400 museus, de temáticas tão improváveis como os perfumes ou a caça. E além dos museus, tem milhentas outras coisas para ver e fazer. Ou apenas para sentir, porque em Paris basta estar para se ser tocado pela alma, pela grandeza e pela dimensão universal da cidade.
Por isso, nunca tinha ocorrido ao viajante visitar o Museu Rodin, um pequeno museu, de temática específica, como tantos outros, ali ao pé da Ecole Militaire e não longe da torre Eiffel.
 Começou por surpreendê-lo o edifício onde está instalado: é um antigo palacete (o Palácio Biron, do século XVIII), que tem a majestade, a sobriedade e a elegância das casas da velha aristocracia francesa. Ao entrar no jardim e vê-lo, ao fundo, sentiu-se o viajante a visitar Tintim e o capitão Hadock, em Moulinsart. Mas o próprio jardim, de vários hectares (em pleno centro de Paris, como se se estivesse no campo!) é muito interessante: é um tradicional jardim à francesa, com caminhos de areia, que o divide em diversos sectores diferenciados. É aqui, no jardim, que se podem encontrar algumas das mais iconográficas obras de Rodin: entre elas, O Pensador, A Porta do Inferno, Balzac e Vítor Hugo.
 Quanto ao museu, mostra as obras do escultor Auguste Rodin (1840-1917). Guardam-se aqui milhares de esculturas, bronzes, mármores, esquiços, aguarelas, estampas e gravuras. Além das obras de Rodin, ainda pertencem ao museu milhares de peças de outros artistas seus amigos ou seus contemporâneos: pinturas, esculturas, fotografia e outros.
Chamaram a atenção algumas peças notáveis, conhecidas do grande público. Reteve o viajante duas: O Pensador, de 1902 (o tal que está no jardim) e A Catedral (as célebres mãos, entrelaçadas), de 1908.

Este museu foi curiosamente criado por iniciativa do próprio Rodin, em 1916, na casa onde já vivia desde 1908, como inquilino. O Estado comprou a casa e doou-a ao museu. Foi uma espécie de compensação pela doação que o escultor fez, das suas obras, ao Estado Francês (além das obras, ainda doou a sua biblioteca e as suas cartas e outros manuscritos). Porém, o museu apenas acabou por abrir em 1919, já depois da morte de Rodin, em 1917.

Fica na Rue de Varenne, 79, em Paris (www.musee-rodin.fr). Muito próximo, fica a estação de metro de Varenne, na linha 13. O museu está aberto de terça a domingo, das 10h00 às 17h45. A entrada custa 6 euros, para maiores de 18 anos (há uma interessante possibilidade de bilhete combinado com o Museu de Orsay).

Sem comentários: