quinta-feira, maio 12, 2011

Os mercados de Istambul, Turquia

Todos os guias turísticos sublinham, por ser emblemático, como um dos mais importantes ícones de Istambul, o Grande Bazar – o Kapali Çarsi, em turco. Diz-se ser o maior e mais antigo bazar do mundo, já que foi fundado no século XVI pelo sultão Mehmet II – ao que parece, a ideia subjacente era a de fazer dele o núcleo comercial mais importante do império turco. Com esse intuito, foram incluídas no bazar, além das lojas, cafés, armazéns, mesquitas, banhos e alojamentos para viajantes (os caravansarai).
Ainda actualmente o Grande Bazar tem cerca de 60 ruas cobertas, todas elas com lojas – que se estima serem cerca de 4500, ocupando uma área total de mais de 300 mil metros! Esta dimensão, dos números, impressionou o viajante ainda antes de chegar. Depois, marcou-o a complexidade das ruas cobertas – complexidade que não se identifica com confusão; e marcou-o também a ordem do comércio, manifestada por exemplo na existência de ruas especializadas: embora hoje em dia as “especialidades” estejam muito mitigadas continuam a ser bem identificáveis nalguns casos, como por exemplo o da Rua dos Joalheiros. Actualmente, o Grande Bazar é mais atracção turística do que centro comercial para a população local.
Ainda mais turístico é um outro bazar que, embora muito mais pequeno é também muito bonito. O Misir Çarsisi, ou Bazar Egípcio, também conhecido por Bazar das Especiarias, fica muito próximo da Ponte de Gálata e, ao contrário do Grande Bazar, tem acesso fácil e rápido. Talvez por isso seja quase em exclusivo destinado a turistas. Aquilo que se vende aqui é variado, mas especificamente do interesse de turistas: louças, couros, panos, latoaria, açafrão, pimentas, azeitonas ou queijo tradicional. Não deixa, em todo o caso, de ser pitoresco e colorido.
Porém, estes mercados “oficiais”, com nome e lugar marcado no mapa, não esgotam os locais de venda com perfil de mercado. Aliás, as ruas que envolvem quer um, quer o outro mercado têm elas mesmas mercados de rua muito mais genuínos. Na rua, em lojas abertas, com menos charme e sofisticação que nos mercados, vende-se de tudo: de jóias a materiais de construção, passando por roupa ou pequenos electrodomésticos. Aí sim, encontra-se a genuína alma comerciante turca e podem fazer-se bons negócios.

Sem comentários: