quarta-feira, junho 01, 2011

Hotel Burj Al Arab, Dubai

 
A mística deste hotel é global: o seu estatuto e até mesmo a sua imagem granjearam-lhe fama à escala planetária. Diz-se ter 7 estrelas, classificação estranha, que “rebenta” a escala clássica e legal, de 5. A verdade é que este é um hotel classificado de cinco estrelas. E, oficialmente, nunca se referiu em lado nenhum - nem a direcção do hotel o assume -, que o hotel tem sete estrelas. Explorando o tema, facilmente veio o viajante a concluir que o estrelato exagerado é o resultado de uma bem montada estratégia de marketing.
A história é simples: a família do Emir do Dubai definiu há muito uma clara estratégia política e económica que tem em vista tornar aquele emirato árabe como um destino turístico de luxo. Foi feito investimento em hotéis, centros comerciais, infra estruturas urbanas, marinas, urbanizações e edifícios arrojados (a célebre torre mais alta do mundo e as duas célebres palmeiras “desenhadas” no mar), entre muitas outras iniciativas.
  A par disso, foi montada uma vasta campanha promocional, sendo convidados jornalistas de todo o mundo a visitar o Dubai. Um deles, francamente deslumbrado com o luxo desmedido do Burj-al-Arab, publicou, em clara e assumida hipérbole, que este hotel merecia muito mais que as cinco estrelas: valia pelo menos sete estrelas. O mote estava dado. Ao marketing do Emir, que tem evidentemente interesses financeiros no hotel, interessava cavalgar a onda e a chalaça nunca foi desmentida. E para a voz corrente as cinco estrelas transformaram-se em sete.

O Hotel Burj al Arab (Torre dos Árabes) foi construído entre 1994 e 1999, numa pequena ilha artificial junto à praia de Jumeirah, na costa do emirado do Dubai - a 280 metros da costa. Tem uma bem conhecida estrutura em forma de vela, para imitar um dhow, os tradicionais barcos de pesca do golfo arábico. A “vela” terá 321 metros de altura (é mais alta que a torre Eiffel!). O hotel tem 202 suites – não tem quartos simples. A suite real tem 670 metros quadrados e inclui recepção com água de rosas, toalhas refrescantes aquecidas e bebidas (não alcoólicas,claro…) Isto, depois de um transfer em Rolls Royce a partir do aeroporto. Em suma, um disparate que custa mais de 3000 euros por noite. Não custou, claro, ao viajante, cuja passagem por estas terras, durante quase uma semana, custou muito menos que isso… 

O resto da história, retirou-a o viajante das revistas: o átrio é forrado a folhas de ouro, há colunas douradas e uma cascata no hall. O seu heliporto, no topo, já serviu para que Roger Federer e André Agassi trocarem bolas de ténis – claro está que no dia seguinte surgiram nos jornais de todo o mundo as fotografias. A praia é privativa e está fechada ao acesso do público. Como aliás acontece com todo o hotel e com uma enorme área de jardim e praia em volta: apenas se pode entrar se se tiver efectuado uma reserva.
Não. Claro que o viajante não efectuou qualquer reserva, nem visitou o interior.

Sem comentários: