quarta-feira, outubro 12, 2011

Pousada da Ria, Beira Litoral, Portugal

  Não é o viajante um cliente habitual das Pousadas de Portugal, embora goste de muitas delas. A razão é simples: são normalmente sítios muito confortáveis e distintos, mas é uma extravagância que custa muito dinheiro. Vem esta confissão despropositada a propósito de uma breve estadia na Pousada da Ria, uma das mais antigas Pousadas – e também, historicamente, talvez, das mais emblemáticas.
Visitar a Pousada da Ria é um pouco como regressar ao antigo regime, anterior a 1974: a arquitectura é antiga e fora de moda; os móveis e a decoração do edifício são desactualizados e, em boa parte, já tiveram melhores dias; o próprio jardim, que não está maltratado, parece um antigo recinto de seminário, com relva e meia dúzia de arbustos decorativos, dispostos sem alegria nem criatividade. Não destoa a piscina, que apesar de tudo é muito agradável, mesmo ao lado das águas calmíssimas da ria. Durante a passagem por aqui, esteve sempre o viajante à espera de ver algum surgir um daqueles personagens que os brasileiros chamam de “filme de época”, com chapéu e fato escuro, de camisa branca e gravatinha fina, com sapatos de verniz e bigodinho, a sair de um Carocha cinzento.
  Porém, ultrapassado o choque inicial, da viagem ao passado, na Pousada da Ria descobriu o viajante um local mais do que tranquilo (é caso para dizer verdadeiramente com o tempo parado – embora não seja despropositado, pelo que ficou dito, dizer também que está parado no tempo). E também um hotel confortável e muito caseiro, onde o pessoal (que não é nem é necessário que seja muito), é delicado, simpático e eficaz. É certo que, por exemplo, sentiu o viajante falta de um bar na piscina. Mas isso supriu-se porque espontaneamente o rapaz do salão de bar se ofereceu para levar lá uma caipirinha.
A verdade é que à Pousada não lhe faltam os confortos modernos. E, quem sabe, talvez venha um dia mesmo a ter os mais modernos, por exemplo Internet wi-fi. Mas estes últimos também não fazem falta, se o objectivo for repousar. E foi repouso que o viajante trouxe na memória. E trouxe ainda mais marcadas fantásticas imagens da sua varanda sobre a ria, quer ao nascer, quer ao pôr-do-sol. Ao dealbar da manhã, a ria ganha cores de fogo e energia forte, com o sol nascente, por detrás das serranias do Caramulo; ao fim do dia, o sol não se vê, porque se deita nas costas, para o lado do mar, por detrás do cordão dunar da Reserva Natural das Dunas de São Jacinto, mas sente-se no ar e na pintura rosa arroxeada que fica nas nuvens.
  A Pousada da Ria fica próximo de Aveiro, no concelho da Murtosa, na estrada que liga esta vila a São Jacinto, um pouco depois da praia da Torreira, no lugar conhecido com Bico do Muranzel. Demora-se um pouco a chegar, porque tem que contornar-se todo o norte da ria de Aveiro. O edifício está construído mesmo em cima da ria - as varandas dos quartos dão para a ria. Nas suas costas, fica a Reserva Natural das Dunas de São Jacinto, uma grande extensão costeira de dunas, com areais, bosques e lagoas, separando a ria do Atlântico.

Sem comentários: