segunda-feira, novembro 07, 2011

As “moules” de Bruxelas

  Juntamente com a cerveja e os chocolates, as “moules frites”, ou mexilhões com batatas fritas, são um dos ícones mais presentes na memória do viajante, quando a referência é Bruxelas. Tal como os chocos fritos de Setúbal, são um pitéu barato, pouco exigente, de preparação simples. Os dois fritos partilham ainda a origem muito recente. Como todos os turistas que passam por Bruxelas, já calhou ao viajante jantar no Chez Léon, uma “fritaria”, na Rue des Bouchers, nas traseiras da Grand-Place. É uma casa de pasto muito antiga, com origem em 1893, na altura com o estatuto de pequena tasca, onde se serviam mexilhões e batatas fritas. O seu dono era Léon Vanlancker. Décadas depois, no decurso da exposição de 1958 (a World Expo 1958, cujo emblema principal veio a ser o Atomium), o Chez Léon instalou-se no recinto da Expo e serviu “moules frites” aos numerosos visitantes internacionais.
 
Desde então, Bruxelas transformou-se na capital do mexilhão e deu à Bélgica, país de história curta e sem grandes tradições específicas, um dos seus ícones. Fica por dizer que, desde então, o Chez Léon se desmultiplicou e abriu muitos outros restaurantes em Bruxelas e também em França. Infelizmente, perdeu a genuinidade e transformou-se numa cadeia de restaurantes temáticos.
A tradição belga diz que devem comer-se mexilhões apenas em meses cujo nome contenha a letra R, o que acontece a partir do mês de Outubro e termina em Abril. No ínterim, os mexilhões são pequenos e menos saborosos; como as lusitanas sardinhas assadas, mas ao contrário. Porém, com a intensificação da aquacultura, também aqui a tradição já não é o que era: em Bruxelas comem-se excelentes “moules” durante todo o ano.
  Curiosamente, tem o viajante verificado que os restaurantes de Bruxelas fazem questão de salientar que os seus mexilhões vêm da Holanda – não são uns quaisquer… A verdade é que a Bélgica também produz mexilhões, em viveiros no Mar do Norte, mas a costa belga não tem rias ou mares de águas calmas onde possam instalar-se as gaiolas para criação. As instalações que existem estão muito expostas às correntes e intempéries. A produção belga acaba por ser muito reduzida, sendo necessário comprar matéria prima a França (aos viveiros da Bretanha ou da Normandia) e, sobretudo, à Holanda. Na região holandesa da Zelândia, a aquacultura do mexilhão é uma importante actividade económica, sendo o produto quase todo destinado à venda para a Bélgica.
Em Bruxelas, os mexilhões fazem-se cozidos em vapor, na sua própria humidade, sem qualquer condimento – apenas com a excepção do funcho, da cebola e do aipo que os acompanham na panela. Para turistas, há coloridas variantes exóticas, por exemplo a cozedura em vinho ou cerveja. Em todo o caso, são um bom e saudável alimento. Ao contrário da voz corrente, não elevam o colesterol, porque têm pouca gordura. São ricos em proteínas e sais minerais.
E já agora, outra dica de viajante: dizem os chefs belgas (sim, há efectiva e verdadeiramente chefs na Bélgica, embora qualquer viajante que tenha cruzado aquele país fique seguramente com a impressão de que essa é uma mera hipótese académica), os chefs, portanto, dizem que não há problema nenhum com os mexilhões que depois de cozidos continuam fechados – não estão estragados: apenas têm os músculos da concha mais fortes.

Sem comentários: