quarta-feira, julho 10, 2013

Da Casa Branca a Cuba, de comboio

  Calhou ao viajante ter que ir, num destes tórridos dias de Julho, a Beja. Na previsão do tempo, viu estarem anunciados 38 graus, mas depois os termómetros acabaram por atingir 41. Coisa normal para o verão em Beja. Mas não é este o tema desta crónica. É que decidiu o viajante ir de comboio, que os tempos estão de crise e os combustíveis e portagens a preços incomportáveis.
E teve boas e más surpresas: boas, porque os comboios funcionam bem, a horas (apesar de haver poucos), sem congestionamento. Más, porque esses mesmos comboios são pouco amigáveis e dão pouca atenção a quem os usa.
Comboios sem bar ou, sequer, uma mísera máquina para comprar água. Estações desertas e sem serviço algum. Ficou o viajante com a memória na estação da Casa Branca, onde é necessário fazer o transbordo, deixando o confortável Intercidades de Évora para passar ao regional de Beja. Deserta, tórrida (e há-se ser gélida no inverno). Nem uma sombra, nem um bar onde beber algo fresco.
  E também ficou na memória com a arqueológica estação de Beja, velha e degradada, com todas as portas fechadas e um velho bar deserto, de luzes apagadas e janelas fechadas, para não entrar o calor.
Quanto aos comboios, são em geral confortáveis e a viagem faz-se bem. Cuba, é a última estação antes de Beja. Achou o viajante piada à associação com a Casa Branca.  

Sem comentários: