sexta-feira, dezembro 21, 2007

Castelo de Chaves

O que resta da antiga praça-forte medieval de Chaves domina a paisagem urbana da cidade. Localizada no ponto mais alto da cidadela medieval, a torre de menagem, último vestígio medieval da antiga praça-forte, residência do alcaide, era o centro militar, político e administrativo da terra. Está construída no ponto mais elevado do antigo núcleo urbano medieval, acedendo-se a ela por uma complexa malha de ruas estreitas e nem sempre muito alinhadas.
Para além dos danos provocados pela violência das vicissitudes da história militar, as muralhas de Chaves sucumbiram também perante o crescimento da cidade, sendo absorvidas pelas novas construções. Desde 1978, a torre de menagem do castelo está ocupada por um museu militar, especialmente vocacionado para a história militar local.

A história deste castelo confunde-se com a de Chaves. Sabe-se que depois da reconquista cristã a zona ficou deserta, sendo reocupada a partir de 1258. O castelo desenvolveu-se a partir de então. Veio a ser doado a D. Beatriz, filha de Nuno Alvares Pereira, quando esta se casou com D. Afonso, o filho ilegítimo de D. João I. Deste casamento resultou o nascimento do Ducado e Casa de Bragança, que neste castelo teve o seu primeiro paço.
A torre de menagem é airosa e bonita. Nas paredes tem seteiras e na fachada leste tem varandas de madeira. O topo está rodeado de merlões e ameias, tendo nos cantos pequenos balcões, semicirculares.




quinta-feira, dezembro 20, 2007

A árvore de Natal mais alta da Europa

O Porto e Bucareste, capital da Roménia, rivalizam neste Natal de 2007 na instalação da que se arroga como a maior árvore de Natal da Europa. Estarão montadas e iluminadas durante a temporada natalícia, até 7 de Janeiro.
São ambas duas estruturas metálicas iluminadas, pagas pelo banco português Millennium BCP, que na Roménia se chama Millennium Bank. Têm 76 metros de altura e pesam 280 toneladas. A iluminá-las estão mais de 2 milhões de micro-lâmpadas, 13 mil lâmpadas bolinha, apoiadas em 28 quilómetros de magueira luminosa e 500 metros de tubos de néon.
Antes do Porto e Bucareste, as árvores foram instaladas em Lisboa, onde tinha menos um metro de altura (é daqui a fotografia superior) e Varsóvia, na Polónia, onde o banco patrocinador tem também negócios.
Ambas as árvores são mais baixas que aquelas que têm, ano a ano, aumentado um pouco o seu tamanho, rivalizando pelo título de maior do mundo: as árvores de Aracajú, no Brasil, com 86 metros e do Rio de Janeiro, instalada na Lagoa Rodrigo de Freitas, com 85 metros (na sua versão original tinha 48 metros).
Em qualquer dos casos são bastante mais altas que a maior árvore natural da Europa, em Viana do Castelo: trata-se de uma araucária com 48 metros de altura, iluminada por 12 mil lâmpadas, suportadas em 2500 metros de fio eléctrico.A árvore do Porto consumiu grande quantidade de energia eléctrica. A de Bucareste, provocou quedas de tensão na zona onde está instalada, na Piata Unitti. A do Rio de Janeiro é alimentada por geradores que funcionam a biodiesel e produzirão até ao fim da temporada natalícia a energia necessária para iluminar uma cidade de média dimensão durante uma semana.

segunda-feira, dezembro 17, 2007

Palatul Parlamentului, Bucareste – a última loucura do ditador

O actual edifício do Parlamento Romeno, em Bucareste é um edifício odiado. Domina a zona sul da cidade e foi construído na década de 1980, para glorificar o nome de Nicolae Ceausecu, o último dos ditadores do leste europeu a ser deposto, em Dezembro de 1989.

Para a construção deste palácio, foi necessário arrasar um sexto da cidade de Bucareste, para que no lugar das antigas casas fosse construído o Palácio e o Bulevardul Unirii, larga avenida arborizada que se pretendia que fosse rival da Avenida dos Campos Elíseos, em Paris (aliás, de propósito, tem mais 6 metros de comprimento, para que possa dizer-se que é mais extensa…). Tem mais de três quilómetros de comprimento e para a construir foram destruídas as casas de cerca de 70 mil pessoas (além de 26 igrejas, duas sinagogas e um mosteiro).
Ao edifício, Ceausescu chamou ironicamente Casa do Povo (Casa Poporului). É visitável, entre as 10 e as 16 horas.
Além deste projecto, Ceausescu alimentou um outro, igualmente megalómano: pretendeu proceder à reorganização do mundo rural romeno, destruindo massivamente aldeias, para realojar os camponeses em prédios de apartamentos padronizados.


Quartier Latin, Paris

Houve tempo, há algumas décadas, em que Paris estava na moda entre os intelectuais. E também entre os intelectuais portugueses. Liam-se autores franceses por todo o mundo, procuravam-se as novidades das editoras francesas e seguiam-se com atenção os movimentos filosóficos do quartier latin. Foi o tempo dos últimos grandes pensadores, que antecederam a era globalizada, em que já não se pensa, mas se age mais. Nesse tempo, de meados do século XX, era também moda ir a Paris, frequentar os cafés de Saint-Germain-des-Prés, na margem esquerda do Sena, onde supostamente poderiam encontrar-se vultos da intelectualidade europeia. Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir foram nomes de referência, a este propósito. Mas não os únicos. Por aqui andaram também Picasso, Hemingway ou Camus. Na igreja de Saint-Germain-des-Prés está sepultado Descartes.

Os cafés, instituições tradicionais de Paris, aliás, marcam o bairro. São tradicionalmente o ponto de encontro onde se come, bebe ou se encontram amigos.
Les Deux Magots (onde um café custa 4,2 € e uma cerveja 6 €), ou o Café de Flore ficaram para a história como ícones marcantes de uma época, pela sua clientela intelectual. São agora sobretudo procurados pelas objectivas de fotógrafos japoneses.
O Quartier Latin e o bairro de Saint-Germain-des-Prés ficam na margem esquerda do rio Sena, no centro de Paris, a dois passo da Ile de la Cité, a zona de origem histórica da cidade. São fáceis de percorrer a pé e são servidos por várias estações de Metro.

domingo, dezembro 16, 2007

Portugal no seu melhor

Por mais que o viajante gire a agulha dos destinos que vai percorrendo, mesmo vivendo num país pequeno, não encontra nunca motivos de surpresa como aqueles que vai encontrando sem sair das fronteiras. Surpreende-se o viajante com a reinvenção daquilo que julgava perdido e destinado ao anedotário dos relatos de avozinhos.
Este fotoapontamento, que se recolheu na zona da Barragem da Agueira, pretende deixar um repto: se se passar em Chamadouro, Santa Comba Dão, procure-se a Associação Cultural Desportiva e Recreativa. Pode ser que esteja para se realizar um novo torneio de sueca. Além do lanche no final do torneio, sempre garantido, e das duas chouriças para cada equipa participante, existe a esperança de ganhar duas pás de porco ou dois presuntos. Se se for ambicioso e habilidoso com as cartas, pode mesmo aspirar-se a ganhar o primeiro prémio: um porco inteiro.

quarta-feira, dezembro 12, 2007

Praça Vermelha, Moscovo

Este é daqueles locais que estão bem presentes na memória dos noticiários da televisão de quem tenha mais que 30 anos. As repetidas imagens a preto e branco de soldados a desfilar, seguidos por mísseis e carros de combate muito alinhados, com os comandantes muito hirtos a saudar os dignitários do velho regime soviético. Acontecia com particular ressonância por todo mundo em Novembro de cada ano, quando se comemorava a Revolução de Outubro.
As bancadas de betão onde se perfilavam os militares do regime para assistir ao desfile ainda lá estão, de um lado e de outro do mausoleu de Lenine, que continua a ser visitado por revivalistas do regime (e também por curiosos, que aproveitam a entrada gratuita). Este mausoleu esteve para ser demolido, no tempo de Boris Ieltsin e, diz-se, pode vir a fechar por falta de verba para conservar o cadáver do antigo mentor (recorde-se que após a morte de Lenine o seu corpo foi embalsamado e tem que sofrer manutenção periódica).
É visitável apenas entre as 10 e as 13, alguns dias por semana. Costuma ter fila e não se pode falar durante a visita nem tirar fotografias. No mesmo memorial estão também sepultados outros notáveis do regime soviético: Estaline, claro, mas também Yuri Gagarine, o primeiro cosmonauta soviético e Leonid Brezhnev, o último grande líder do Partido Comunista da União Soviética.
O Kremlin, também ainda aqui está, claro. E melhor que nunca: está bem restaurado e iluminado à noite. O mesmo se passa com a Catedral de São Basílio, igualmente bem preservada.
Porém, o espírito comunista perdeu-se. Em frente ao Kremlin abriu o fabuloso centro comercial GUM, com lojas de todas a marcas de roupas, sapatos e jóias que contam na Europa ocidental. Este centro comercial usa como meio promocional, na altura do natal, um ringue de patinagem, que coloca no meio da praça.
Por último, embora já fora da praça, mas mesmo em frente ao memorial dos mortos da IIª Guerra Mundial, abriu um Mc Donalds!
Lenine, se estivesse num túmulo, estava a revolver-se nele!
O viajante, por seu lado, pensa na mística da Praça Vermelha, ladeada das muralhas de tijolos avermelhados do Kremlin e recorda-se da sua origem na Idade Média, altura em que as primitivas muralhas foram construídas. E ocorre-lhe também que embora por esta praça tenham já passado vários regimes e vários governantes, a praça, ela mesma, continua lá, a atrair por si mesma milhares de visitantes por dia.