terça-feira, maio 31, 2011

Praia de Copacabana, Rio de Janeiro


Atenção: NO STRESS”, diz a placa à entrada da praia. Para que não haja dúvida - e como se fosse necessário…

sábado, maio 28, 2011

Centro Memorial do Holocausto dos Judeus da Macedónia, Skopje

 
A palavra “macedónia” é usada em francês e em espanhol para designar aquilo que em português chamamos salada de frutas ou, também, salada russa – no fundo, uma desorganização harmoniosa de pequenos pedaços de alimentos de vários tipos, que em conjunto formam um prato. A parábola é excelente. Na verdade, o povo que ocupa o país dos Balcãs que hoje em dia conhecemos como Macedónia é o resultado da fusão de uma grande sucessão de povos que, ao longo de vários milénios de história, desde o tempo em que o rei Filipe, pai de Alexandre, que veio a ser O Grande, consolidou aqui um reino independente da restante Grécia. Neste território passaram assim gentes de todos os quadrantes, etnias e crenças que se foram fixando. Actualmente, por imposição da diplomacia grega, que reclama para uma parte do seu território esta histórica denominação oficial, nas instâncias internacionais o nome do país é FYROM – acrónimo em inglês de Antiga República Jugoslava da Macedónia.

 
Talvez tenha sido este ambiente de descontraída fusão que atraiu para aqui, após o fim da idade média (por obra de D. Manuel em Portugal e dos reis católicos, em Espanha, em 1492) o fluxo migratório de judeus sefarditas, que foram expulsos da Península Ibérica e que tiveram que procurar outras paragens para se estabelecer. É bem conhecida a migração judaica portuguesa para a Holanda. Menos conhecida mas não menos importante, foi esta deslocação para os Balcãs. A partir do século XVI formou-se na Macedónia uma grande comunidade judaica, toda ela com origem nas populações expulsas da Península Ibérica.
  Esta comunidade floresceu e foi muito importante no contexto da região. E foi sempre bem tolerada pelos vários impérios dominantes. Em particular, foi bem aceite pelo império turco otomano, que sempre conviveu bem com outras religiões – anotou o viajante que em Skopje, capital da Macedónia, coexistem mesquitas e igrejas, todas elas do tempo da ocupação turca. Ambas as crenças vivam em paz com a outra se nenhuma igreja fosse mais alta que qualquer mesquita (essa é a razão pela qual algumas igrejas foram construídas um pouco enterradas no chão).
 
Bem sentiu o viajante esta “macedónia” de povos pelas ruas de Skopje, vendo passar gente alta e baixa, morena e mais clara, oriental e ocidental. Mas o local que mais lhe revelou este cadinho de culturas foi o Centro Memorial do Holocausto do Judeus da Macedónia. Não esperava o viajante encontrar, na pequena capital de um país com 2 milhões de habitantes, uma exposição permanente tão interessante e incisiva sobre a diáspora dos sefarditas peninsulares, desde que saíram da Península até ao quase extermínio pelos nazis, durante a Segunda Guerra Mundial. Tocou-o toda esta história, de vários séculos, de tolerância com os judeus da diáspora – ainda mais, tendo esta comunidade tido origem em sefarditas expulsos da Península Ibérica.
O que, talvez, impressionou mais o viajante foi a preservação que estas gentes fizeram da cultura peninsular: mantiveram usos e costumes ibéricos e mantiveram, entre si, o ladino, a língua que usavam entre nós até ao século XVI.

 O “Sentro Memorial del Holocausto de los Djudios de la Makedonia” foi criado em 2005, mas o seu edifício apenas ficou concluído e abriu ao público em 2011. Fica num edifício modernaço, de vidro e pedra (não se poderá dizer que seja de muito bom gosto…), entre o centro histórico de Skopje e o rio Vardar, próximo da célebre Ponte de Pedra (Kameni Most). Tem entrada livre

domingo, maio 22, 2011

Jardim Botânico de Pamplemousse, Ilha Maurício

 Próximo de Port Louis, a capital da ilha Maurício, fica um jardim botânico cuja origem remonta ao século XVIII. De carro, a partir da cidade, não se demorará mais que 15 minutos a chegar.
O nome oficial do lugar é Jardim Botânico Sir Seewoosagur Ramgoolam, em homenagem ao primeiro dirigente político da Maurício após a independência, em 1968.
Porém, a criação do jardim é muito anterior: teve origem durante o domínio francês da ilha, ao que se diz, tendo em visto reproduzir nesta terra fértil as sementes de especiarias que na época se cultivavam nas colónias e, em particular, no extremo oriente. Tais sementes eram eram aqui facilmente reproduzidas, em excelentes condições climatéricas e de solo. E muito mais perto de França, onde iriam ser vendidas. Durante o século XVIII foram daqui exportados para a Europa essências e especiarias (canela, pimenta, entre outras).

 No entanto, após 1775, o jardim deixou de privilegiar essa vertente e passou a plantar-se aqui o maior número possível de plantas, sobretudo aquelas que se afiguravam mais raras. E é disso que beneficiam os visitantes de hoje. Podem ver-se no jardim variadíssimas espécies de palmeiras, por exemplo Mas também a árvore de cânfora. Ou araucárias de diversíssimos tipos.
Mas a estrela da visita é o tanque dos enormes nenúfares da Amazónia, os “victoria regia”, tão grandes que chegam a pesar 45 quilos e a medir um metro de diâmetro. Diz-se que podem suportar, sem se afundarem, um bebé pequeno. Ao lado, está um outro lago de nenúfares e flores de lótus, as flores sagradas dos hindus.

 Este é daqueles locais onde o viajante achou efectiva vantagem em fazer uma visita guiada, acompanhado por um guia, portanto. O parque tem 90 hectares e visita-se bem no espaço de uma hora. A entrada é paga. É uma visita imperdível.

quinta-feira, maio 19, 2011

Casa Chimera, Kiev, Ucrânia

 Caminhando pelas ruas de Kiev foi o viajante surpreendido por uma casa em “estilo gaudi”, com as suas fachadas profusamente decoradas com esculturas e gárgulas em cimento, representado fantasmagóricos animais e outros seres. De tudo viu por aqui: rinocernontes, elefantes, e até algumas formas diferentes de representação humana. Em geral, o ambiente é de caça, uma das paixões do seu desenhador. Veio o viajante a saber que foi construída pelo arquitecto Vladislav Gorodetski para habitação da sua família, no início do século XX (entre 1901 e 1902). Diz-se que os animais da fachada são uma evocação da caça, principal ocupação dos tempos livres do arquitecto.
No seu tempo, foi um edifício arrojado, não apenas na estética, mas também nas funcionalidades que integrava: tinha um compartimento gelado (nada difícil, na Ucrânia) para conservar alimentos, adega, lavandaria, celeiro, para alojar carruagens e animais e, na cave, previu um compartimento especial para alojar uma vaca, para que houvesse leite fresco para todos os dias.
Este edifício fica na Rua Bankova, 20, próximo da central Rua Khrechatyla, esmo em frente do imponente edifício da Presidência da República da Ucrânia. Desde 2005 que o edifício, que é propriedade do Estado ucraniano, é utilizado como residência presidencial, para alojar convidados estrangeiros.

domingo, maio 15, 2011

Museu Rodin, Paris

De Paris, diz-se que tem 400 museus, de temáticas tão improváveis como os perfumes ou a caça. E além dos museus, tem milhentas outras coisas para ver e fazer. Ou apenas para sentir, porque em Paris basta estar para se ser tocado pela alma, pela grandeza e pela dimensão universal da cidade.
Por isso, nunca tinha ocorrido ao viajante visitar o Museu Rodin, um pequeno museu, de temática específica, como tantos outros, ali ao pé da Ecole Militaire e não longe da torre Eiffel.
 Começou por surpreendê-lo o edifício onde está instalado: é um antigo palacete (o Palácio Biron, do século XVIII), que tem a majestade, a sobriedade e a elegância das casas da velha aristocracia francesa. Ao entrar no jardim e vê-lo, ao fundo, sentiu-se o viajante a visitar Tintim e o capitão Hadock, em Moulinsart. Mas o próprio jardim, de vários hectares (em pleno centro de Paris, como se se estivesse no campo!) é muito interessante: é um tradicional jardim à francesa, com caminhos de areia, que o divide em diversos sectores diferenciados. É aqui, no jardim, que se podem encontrar algumas das mais iconográficas obras de Rodin: entre elas, O Pensador, A Porta do Inferno, Balzac e Vítor Hugo.
 Quanto ao museu, mostra as obras do escultor Auguste Rodin (1840-1917). Guardam-se aqui milhares de esculturas, bronzes, mármores, esquiços, aguarelas, estampas e gravuras. Além das obras de Rodin, ainda pertencem ao museu milhares de peças de outros artistas seus amigos ou seus contemporâneos: pinturas, esculturas, fotografia e outros.
Chamaram a atenção algumas peças notáveis, conhecidas do grande público. Reteve o viajante duas: O Pensador, de 1902 (o tal que está no jardim) e A Catedral (as célebres mãos, entrelaçadas), de 1908.

Este museu foi curiosamente criado por iniciativa do próprio Rodin, em 1916, na casa onde já vivia desde 1908, como inquilino. O Estado comprou a casa e doou-a ao museu. Foi uma espécie de compensação pela doação que o escultor fez, das suas obras, ao Estado Francês (além das obras, ainda doou a sua biblioteca e as suas cartas e outros manuscritos). Porém, o museu apenas acabou por abrir em 1919, já depois da morte de Rodin, em 1917.

Fica na Rue de Varenne, 79, em Paris (www.musee-rodin.fr). Muito próximo, fica a estação de metro de Varenne, na linha 13. O museu está aberto de terça a domingo, das 10h00 às 17h45. A entrada custa 6 euros, para maiores de 18 anos (há uma interessante possibilidade de bilhete combinado com o Museu de Orsay).

quinta-feira, maio 12, 2011

Os mercados de Istambul, Turquia

Todos os guias turísticos sublinham, por ser emblemático, como um dos mais importantes ícones de Istambul, o Grande Bazar – o Kapali Çarsi, em turco. Diz-se ser o maior e mais antigo bazar do mundo, já que foi fundado no século XVI pelo sultão Mehmet II – ao que parece, a ideia subjacente era a de fazer dele o núcleo comercial mais importante do império turco. Com esse intuito, foram incluídas no bazar, além das lojas, cafés, armazéns, mesquitas, banhos e alojamentos para viajantes (os caravansarai).
Ainda actualmente o Grande Bazar tem cerca de 60 ruas cobertas, todas elas com lojas – que se estima serem cerca de 4500, ocupando uma área total de mais de 300 mil metros! Esta dimensão, dos números, impressionou o viajante ainda antes de chegar. Depois, marcou-o a complexidade das ruas cobertas – complexidade que não se identifica com confusão; e marcou-o também a ordem do comércio, manifestada por exemplo na existência de ruas especializadas: embora hoje em dia as “especialidades” estejam muito mitigadas continuam a ser bem identificáveis nalguns casos, como por exemplo o da Rua dos Joalheiros. Actualmente, o Grande Bazar é mais atracção turística do que centro comercial para a população local.
Ainda mais turístico é um outro bazar que, embora muito mais pequeno é também muito bonito. O Misir Çarsisi, ou Bazar Egípcio, também conhecido por Bazar das Especiarias, fica muito próximo da Ponte de Gálata e, ao contrário do Grande Bazar, tem acesso fácil e rápido. Talvez por isso seja quase em exclusivo destinado a turistas. Aquilo que se vende aqui é variado, mas especificamente do interesse de turistas: louças, couros, panos, latoaria, açafrão, pimentas, azeitonas ou queijo tradicional. Não deixa, em todo o caso, de ser pitoresco e colorido.
Porém, estes mercados “oficiais”, com nome e lugar marcado no mapa, não esgotam os locais de venda com perfil de mercado. Aliás, as ruas que envolvem quer um, quer o outro mercado têm elas mesmas mercados de rua muito mais genuínos. Na rua, em lojas abertas, com menos charme e sofisticação que nos mercados, vende-se de tudo: de jóias a materiais de construção, passando por roupa ou pequenos electrodomésticos. Aí sim, encontra-se a genuína alma comerciante turca e podem fazer-se bons negócios.